LGBTIQ – Escrevergay https://escrevergay.com Pruralidade, diversidade e inclusão LGTBIQ+ Tue, 21 Jul 2020 21:03:32 +0000 es hourly 1 https://wordpress.org/?v=5.4.2 https://escrevergay.com/wp-content/uploads/2020/06/cropped-Escre6-1-32x32.jpg LGBTIQ – Escrevergay https://escrevergay.com 32 32 Estatísticas de probabilidades de vida da comunidade LGBT https://escrevergay.com/estatisticas-de-probabilidades-de-vida-da-comunidade-lgbt/ https://escrevergay.com/estatisticas-de-probabilidades-de-vida-da-comunidade-lgbt/#respond Sat, 11 Jul 2020 15:54:45 +0000 https://escrevergay.com/?p=58 Segundo os especialistas, entende-se que o grupo social com tendências para a autodeterminação sexual ou orientação sexual diferente, relacionado com grupos LGBT, são alguns dos mais afectados com baixa esperança de vida. Tudo isto se deve à enorme quantidade de perseguição, rejeição e violência por parte de várias instituições contra estes grupos, que consideram estas …

La entrada Estatísticas de probabilidades de vida da comunidade LGBT se publicó primero en Escrevergay.

]]>
Segundo os especialistas, entende-se que o grupo social com tendências para a autodeterminação sexual ou orientação sexual diferente, relacionado com grupos LGBT, são alguns dos mais afectados com baixa esperança de vida.

Tudo isto se deve à enorme quantidade de perseguição, rejeição e violência por parte de várias instituições contra estes grupos, que consideram estas tendências como comportamentos repreensíveis e não naturais.

Estudos realizados pela Redlactrans

Segundo a Redlactrans, também conhecida como Rede Latino-Americana e Caribenha de Pessoas Transgénero, cuja presença é permitida em mais de 16 países, estima-se estatisticamente que cerca de 40% dos travestis, transexuais e pessoas transgénero têm o vírus HIV.

Esta estatística estimulou uma reacção de alerta para todas as comunidades gay, uma vez que se trata de um problema de saúde que merece uma resposta coordenada de todas as organizações e países.

As pessoas nascidas como homens e que decidem mudar o seu sexo, quer através de processos cirúrgicos como os transexuais, através de próteses ou modificações hormonais como os travestis, quer através da autodeterminação social como os transexuais, acabam por enfrentar fortes adversidades em muitos aspectos sociais e económicos.

De acordo com Transfobia na América Latina e Caraíbas

Entende-se que a esperança de vida oficial de uma pessoa transexual é de cerca de 37 anos, de acordo com um estudo chamado, The Transfobia in Latin America and the Caribbean.
Este estudo possui múltiplos factores versados na exclusão social e estatal, entende-se que de acordo com vários estudos realizados por ONG 90% dos transexuais trabalham no sector da prostituição para assegurar a sua subsistência.

trans

De acordo com o Fundo Robert Carr

De acordo com o Fundo Robert Carr para 2014, 96% das mulheres que se dedicam à prostituição para viver, incluindo transexuais, não têm seguro de saúde ou apoio médico.

Um em cada três trabalhadores do sexo não tem conhecimento de doenças sexualmente transmissíveis ou apoio médico em caso de infecção pelo VIH.

A discriminação como um factor grave

Um dos factores mais graves que contribui para a baixa esperança de vida das comunidades LGBT é a forte tendência para a rejeição por parte da sociedade conservadora, para além da forte perseguição contra os homossexuais ou transexuais.

Por outro lado, as instituições que recebem pessoas com esta tendência tendem a tratá-las de forma violenta e destrutiva, gerando traumas ou experiências que incluem actos violentos nas histórias.

Estatísticas da CIDH

De acordo com estes factos, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos expressou grande preocupação com as agressões recebidas pela população LGBT, incluindo lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, travestis, e pessoas intersexuais, entre outros.

Em resposta, a organização apresentou um relatório alarmante, onde documentou a morte de 594 mortes violentas em 15 meses, um estudo realizado entre Janeiro de 2013 e Março de 2014, explicando e observando especificamente que a rejeição e o assédio da população transexual provém directamente da família e do sector da educação.

Tudo isto se deve à falta de reconhecimento respeitoso da identidade de género, para além do facto de estes grupos receberem muitos maus-tratos em ocupações de risco, e as suas tendências são frequentemente criminalizadas por algumas pessoas, geralmente conservacionistas.

De acordo com as estatísticas da ONU

Das actividades da ONU, ele destaca que um dos países onde se registou o maior número de homicídios contra pessoas pertencentes a grupos LGBT foi as Honduras, violência produzida principalmente por agências de segurança pública.

Seguem-se a Guatemala, México e Colômbia com taxas muito elevadas de violência e discriminação contra grupos, incluindo homossexuais, lésbicas e transexuais.

Ao mesmo tempo, de acordo com um programa conjunto das Nações Unidas, centrado no estudo do VIH, é estabelecido que 80% das pessoas infectadas não ultrapassam os 35 anos de idade.

La entrada Estatísticas de probabilidades de vida da comunidade LGBT se publicó primero en Escrevergay.

]]>
https://escrevergay.com/estatisticas-de-probabilidades-de-vida-da-comunidade-lgbt/feed/ 0
Porque é que faz marchas de orgulho gay? https://escrevergay.com/orgulho-gay/ https://escrevergay.com/orgulho-gay/#respond Mon, 29 Jun 2020 15:45:50 +0000 https://escrevergay.com/?p=55 Marcha das comunidades LGBTIQ no Brasil As marchas de orgulho LGBTIQ procuram a igualdade de direitos para os membros da sua comunidade. No Brasil esta manifestação realiza-se anualmente com uma grande variedade de eventos, tais como palestras, apresentações, seminários e outros, realizados antes e depois das marchas. Esta é a marcha mais frequentada na América …

La entrada Porque é que faz marchas de orgulho gay? se publicó primero en Escrevergay.

]]>
Marcha das comunidades LGBTIQ no Brasil

As marchas de orgulho LGBTIQ procuram a igualdade de direitos para os membros da sua comunidade.

No Brasil esta manifestação realiza-se anualmente com uma grande variedade de eventos, tais como palestras, apresentações, seminários e outros, realizados antes e depois das marchas.

Esta é a marcha mais frequentada na América Latina e a segunda no mundo depois da Marcha do Orgulho LGTBIQ em Nova Iorque.

Mais de três milhões de pessoas assistiram à marcha a 23 de Junho de 2019 na cidade de São Paulo.

O slogan da marcha foi “50 anos de Stonewall, as nossas conquistas, o nosso orgulho em ser LGBT”, referindo-se ao bar de Nova Iorque onde começou o evento histórico da batalha do movimento da diversidade sexual.

Cada marcha tem um slogan para declarar uma pequena parte das grandes lutas que estas comunidades estão a liderar. Por exemplo, em 1997 foi “Somos muitos, estamos em todas as profissões” e em 2007 foi “Por um sem racismo, machismo e homofobia”.

Esta última marcha foi a primeira a ser realizada após o Supremo Tribunal do país ter declarado a homofobia uma infracção penal equivalente ao racismo. Em 2003, a homossexualidade deixou de ser uma doença e o casamento em pé de igualdade é legal desde 2013 em todo o país.

Este é o primeiro país na América a descriminalizar eventos homossexuais privados entre adultos, mas a discriminação e o preconceito continuam, razão pela qual o movimento de direitos LGBTIQ tem sido tão importante.

História e origens da comunidade LGTBIQ

Esta expressão vem da língua inglesa nos anos 90, e coincide mesmo em várias línguas sem que isso seja o seu objectivo. Este termo evoluiu com a introdução de algumas cartas, a fim de incluir as comunidades discriminadas devido à sua identidade sexual.

Algumas organizações lésbicas e bissexuais declararam o seu descontentamento com o termo e criaram a sigla LGB.

Nos últimos anos foram acrescentados novos acrónimos para incluir outras comunidades discriminadas, tais como intersex (I) e queer (Q), resultando em LGBTIQ.

Estes acrónimos são compostos pelas palavras Lesbian, Gay, Bisexual, Transgender, Intersex e Queer. A ordem dos acrónimos pode variar de acordo com a utilização de cada país.

marcha

Breve história da diversidade sexual no Brasil

De acordo com historiadores, há provas de que a homossexualidade sempre existiu entre o povo aborígene. Tem sido comentado que os colonos masculinos tinham índios masculinos como parceiro porque era “o costume da terra”.

Há relatos de homens aborígenes travestis, castrados em roupas de mulher, que executam tarefas femininas como a tecelagem. Noutras tribos, os homens reunir-se-iam no baito (uma casa de homens onde as mulheres não podiam entrar) e fariam sexo muito naturalmente.

Na Inquisição Portuguesa, os prisioneiros por sodomia eram queimados na fogueira se os factos fossem provados.

Alguns prisioneiros por este crime nessa altura foram enviados para o Brasil como castigo. Desde a independência do Brasil, a homossexualidade e a tendência travesti deixaram de ser um crime, mas alguns anos mais tarde
punição legalizada por actos públicos indecentes.

Em 1890, foi publicado um novo código penal que não condenava a sodomia, mas sim a “indecência pública”, “deboche”, “travestismo”, e “vagabundagem”, deixando um caminho aberto para a repressão dos homossexuais.

Durante anos houve um grande interesse médico, estudando e fotografando pessoas, estabelecendo que era uma desordem hormonal ou um desequilíbrio que causava homossexualidade.

Estas investigações só mostraram o preconceito da sociedade, porque estavam cheias de indignação moral.

O primeiro trabalho realizado de forma positiva foi realizado por um sociólogo da Universidade de São Paulo, José Fabio Barbosa, em 1958, que publicou a sua pesquisa sobre 60 homens.

La entrada Porque é que faz marchas de orgulho gay? se publicó primero en Escrevergay.

]]>
https://escrevergay.com/orgulho-gay/feed/ 0
Como é ser um transgênero em uma favela? https://escrevergay.com/como-e-ser-um-transgenero-em-uma-favela/ https://escrevergay.com/como-e-ser-um-transgenero-em-uma-favela/#respond Sun, 31 May 2020 20:57:52 +0000 https://escrevergay.com/?p=104 Ser um trans em uma favela no Brasil. As favelas são entendidas como assentamentos informais sem direitos de propriedade. Em outros países, são freqüentemente chamadas de invasões, que é a ocupação sem direitos de espaços não totalmente regulamentados pela jurisdição do Estado. Estes lugares têm várias características, a mais importante das quais é a falta …

La entrada Como é ser um transgênero em uma favela? se publicó primero en Escrevergay.

]]>
Ser um trans em uma favela no Brasil.

As favelas são entendidas como assentamentos informais sem direitos de propriedade. Em outros países, são freqüentemente chamadas de invasões, que é a ocupação sem direitos de espaços não totalmente regulamentados pela jurisdição do Estado.

Estes lugares têm várias características, a mais importante das quais é a falta de acesso aos serviços vitais do Estado, construídos em um aglomerado com uma qualidade abaixo do padrão contemplado na construção civil.

Por outro lado, as favelas sofrem com a falta de infra-estrutura básica, serviços públicos e organizações sociais, geralmente localizadas em áreas não adequadas para a construção adequada ou com condições ambientais adversas.

Estes lugares são em sua maioria ocupados ou construídos por pessoas pobres que não têm sua própria entrada ou subsídio, e estão acostumadas a construir uma estrada improvisada sem a proteção de suas bases governamentais ou educacionais.

Embora as favelas não possuam serviços públicos, elas oferecem uma certa proximidade com a infra-estrutura de emprego, lojas e o sistema urbano.

Vida transgênero nas favelas

Hoje as favelas estão muito avançadas, a ponto de muitos lugares já desfrutarem de alguns serviços públicos e acesso à educação e ao trabalho, naturalmente saindo do local e entrando na infra-estrutura normal da cidade, utilizando o serviço de transporte mais próximo possível.

Junto com a infra-estrutura, cresce o número de habitantes e a diversidade cultural do lugar, incluindo as tendências sociais, políticas, culturais e sexuais que existem.

De acordo com testemunhos dados por Gilmara Cunha e Graham McGeoch, dois ativistas das comunidades LGBT.

Eles explicam que a vida de uma pessoa trans nas favelas é muito difícil, deve-se notar que a vida nas favelas é difícil para todos, pois eles estão sujeitos a buscar serviços fundamentais aliados a um futuro, sem acesso direto à educação ou mesmo ao transporte público.

O assédio e uma atitude de desprezo estão na ordem do dia e isso pode levar a um endurecimento do caráter por parte das pessoas trans que vivem nas favelas, pois muitas vezes são alvo de críticas e até mesmo de ataques violentos por diversão ou discriminação de alguns anti-sociais que vivem localmente.
Apesar disso, a atmosfera nas favelas é muito semelhante para a maioria das pessoas, que vivem com medo constante de atividades criminosas e brutalidade policial, com eventos muito comuns de tiroteios ou cenas de violência extrema.

ser

As pessoas trans hoje

Hoje, com o passar do tempo, as comunidades trans são mais unidas e têm até mesmo movimentos sociais organizados para se protegerem umas às outras.

Entende-se que há um abuso por parte dos novos movimentos democráticos, entende-se que a democracia totalitária do país está matando as comunidades trans, em um momento da história do Brasil, estas comunidades sofreram grandes abusos.

Além disso, foi dito abertamente que os homossexuais ou pessoas trans não tinham direito à vida, a adquirir propriedade ou a funcionar livremente na sociedade, criando um ambiente de conflito entre várias comunidades nas favelas, que se permitiam ser diretamente influenciados pela influência política e pela opinião pública.

Hoje em dia, em sua maioria, já se acabou, há mais tolerância, além da criminalização do casamento homossexual e da criminalização da homofobia, fatores de grande importância para o avanço e entendimento entre as comunidades trans com o resto da população.

Entretanto, o Brasil ainda é o país com a maior taxa de assassinatos de membros LGBT do mundo, uma taxa que ainda está em vias de ser resolvida.

La entrada Como é ser um transgênero em uma favela? se publicó primero en Escrevergay.

]]>
https://escrevergay.com/como-e-ser-um-transgenero-em-uma-favela/feed/ 0
O que é identidade de gênero https://escrevergay.com/o-que-e-identidade-de-genero/ https://escrevergay.com/o-que-e-identidade-de-genero/#respond Sat, 01 Jun 2019 20:38:44 +0000 https://escrevergay.com/?p=93 É como as pessoas identificam psicologicamente sua sexualidade, seu modo de pensar, sua maneira de ser, independentemente de se tratar de um homem ou de uma mulher. É uma classificação pessoal sobre sua própria sexualidade. a identidade de gênero A identidade de gênero de uma pessoa pode ser diferente do sexo com o qual nasceu …

La entrada O que é identidade de gênero se publicó primero en Escrevergay.

]]>
É como as pessoas identificam psicologicamente sua sexualidade, seu modo de pensar, sua maneira de ser, independentemente de se tratar de um homem ou de uma mulher. É uma classificação pessoal sobre sua própria sexualidade.

a identidade de gênero

A identidade de gênero de uma pessoa pode ser diferente do sexo com o qual nasceu ou da orientação sexual que recebeu na fase de crescimento. Esta identidade tem a ver com ser sexual, em como as pessoas se sentem internamente sobre seu gênero.
Identidades de gênero

A identidade de gênero pode ser considerada como o sexo psicológico ou psíquico, essas identidades podem ser Transgênero, Cisgênero, transexual, pansexual e assexual.

Transgênero

São pessoas que sentem que seus comportamentos e pensamentos não correspondem ao sexo designado ao nascer. Por exemplo, uma mulher pode se sentir como um homem e ter gostos masculinos, mas pode não ter necessariamente gostos para outras mulheres.

Cisgender

Este termo se refere a pessoas cuja identidade de gênero coincide com a identidade sexual com a qual nasceram, em oposição aos transgêneros. Este é um neologismo introduzido em 1991 pelo sexólogo e psiquiatra alemão Volkmar Sigusch, como resultado de estudos de gênero.

Transsexual

Refere-se à pessoa que modificou seu corpo ou que está ansiosa para fazê-lo, usando métodos hormonais ou cirúrgicos ou ambos. Por exemplo, um homem que quer ou mudou seus órgãos genitais e está passando por mudanças hormonais medicinais.
Diferenças entre identidade de gênero, identidade sexual e orientação sexual.

Como já vimos, a identidade de gênero tem a ver com caráter pessoal e sentimentos que envolvem fatores psíquicos e
psicológico.

Ao contrário da identidade sexual, que explica os rótulos dados pelos médicos sobre os genes, hormônios e partes do corpo com que se nasce, ela inclui a certidão de nascimento. Fatores sociais e culturais desempenham um papel na identidade sexual.

E a orientação sexual refere-se à atração emocional e sexual que uma pessoa sente por outra. Isto pode ser independentemente de ser atrativo para pessoas do mesmo sexo ou de sexo diferente.

orientacion

Orientação sexual

Estes podem ser identificados dentro dos parâmetros de monossexualidade (heterossexual ou homossexual) ou polissexualidade (bissexual ou pansexual).

Heterossexual

É definida como a atração sexual e sentimental que uma pessoa sente por outra pessoa do sexo oposto, ou seja, uma combinação entre uma mulher e um homem. É um comportamento muito comum entre sujeitos da mesma espécie, tais como seres humanos e animais.

Homossexual

Refere-se a pessoas que se sentem atraídas emocional e sexualmente por pessoas do mesmo sexo. Refere-se ao par de um homem com outro homem ou de uma mulher com outra mulher. Uma mulher gay é conhecida como lésbica e um homem gay é conhecido como um homem gay.

Bissexual

Esta orientação sexual refere-se à atração sentimental ou sexual que uma pessoa sente por outras pessoas do mesmo sexo ou de sexo oposto. É categorizado como uma fixação transitória entre heterossexualidade e homossexualidade.

A bissexualidade é uma combinação de atração heterossexual e homossexual. De acordo com o neurologista austríaco Sigmund Freud, as pessoas nascem com uma orientação sexual como bissexuais, mas à medida que se desenvolvem e crescem, elas fixam sua orientação sexual, seja homossexual ou
reta.

Pansexual

É determinada como uma variante da bissexualidade, onde se é atraído por pessoas independentemente de seu sexo. Mas diz-se que a atração é mais para a pessoa como pessoa, não tanto para sua identidade sexual.

Asexual

É considerado uma falta de atração sexual, é um desejo nulo ou baixo de atividade sexual para as pessoas, indiferente se é para a mulher ou para o homem, às vezes é considerado uma falta de
orientação sexual.

A assexualidade é considerada diferente do celibato ou abstinência sexual que são motivados por crenças religiosas ou decisões pessoais.

Em alguns casos, as pessoas assexuadas podem ser emocionalmente atraídas por ambos os sexos, mas não sexualmente. Muitas vezes eles fazem conexões informais ou formais, como o casamento.

La entrada O que é identidade de gênero se publicó primero en Escrevergay.

]]>
https://escrevergay.com/o-que-e-identidade-de-genero/feed/ 0
O que é orientação sexual? https://escrevergay.com/o-que-e-orientacao-sexual/ https://escrevergay.com/o-que-e-orientacao-sexual/#respond Sun, 21 Apr 2019 20:32:26 +0000 https://escrevergay.com/?p=90 Trata-se da atração sexual, química, emocional e psicológica que uma pessoa sente por outra ao longo do tempo, de acordo com a Associação Americana de Psicologia. A escolha da orientação sexual Esta orientação pode ser focalizada em dois extremos importantes, seja atração exclusiva para membros do sexo oposto ou para membros do mesmo sexo. É …

La entrada O que é orientação sexual? se publicó primero en Escrevergay.

]]>
Trata-se da atração sexual, química, emocional e psicológica que uma pessoa sente por outra ao longo do tempo, de acordo com a Associação Americana de Psicologia.

A escolha da orientação sexual

Esta orientação pode ser focalizada em dois extremos importantes, seja atração exclusiva para membros do sexo oposto ou para membros do mesmo sexo.

É por isso que a orientação sexual está focalizada em três tendências diferentes, a orientação heterossexual que envolve pessoas do sexo oposto, a orientação homossexual que envolve atração por pessoas do mesmo sexo e a orientação bissexual que envolve atração por ambos os sexos.

Quando falamos de orientação sexual, nos referimos ao comportamento sexual de uma pessoa, sua identidade específica de gênero e sua identidade sexual, pois estes são fatores fundamental para definir a percepção sexual de uma pessoa.

Quando se estabelece um grau de seleção que determina a vida sexual de uma pessoa estabelecendo um sexo como objeto de desejo, isso pode ser conceitualmente diferenciado da orientação sexual de uma pessoa.

Quando falamos de acordo, queremos dizer que a preferência sexual é semelhante à orientação sexual; por exemplo, podemos falar de uma pessoa masculina que se declara homossexual e faz sexo com pessoas do sexo masculino.

Quando falamos de discordância, nos referimos ao contrário, a orientação sexual do sujeito não se coordena com sua preferência sexual. Por exemplo, podemos falar de uma mulher que se declara heterossexual, que se sente atraída por pessoas do sexo feminino, mas que no entanto tem relações com pessoas do sexo masculino e prefere ser chamada de heterossexual.

Critérios e orientações sobre sexo

Para determinar os critérios de orientação sexual, a classificação de monossexualidade e polissexualidade deve ser entendida.

Classificação monossexual

Monossexualidade refere-se a qualquer orientação sexual exclusiva de um gênero, ou seja, heterossexualidade e homossexualidade, numa forma mais ampla, pode se referir à monossexualidade como atração sexual para a pessoa específica, aqui a fidelidade e a monogamia podem ser contextualizadas.

Por outro lado, uma pessoa que se enquadra na classificação de orientação monossexual pode ser atraída por uma pessoa do gênero binário, já que é uma única pessoa, mesmo que se expresse e se identifique em ambos os sexos.

hombre

Classificação polissexual

Quando se fala de pessoas dentro da classificação polissexual, refere-se à preferência sexual por vários grupos, seja de um sexo biológico ou de uma identidade de gênero específica.

Não deve ser confundido com pessoas pansexuais, uma vez que a polissexualidade se refere à atração por um determinado grupo seleto e uma classificação que inclui a pansexualidade, enquanto
A própria pansexualidade é mais difundida.

Dentro da polissexualidade pode-se encontrar a bissexualidade e a pansexualidade, no entanto, quando nos referimos às principais orientações sexuais, estamos na presença de homossexualidade, heterossexualidade e bissexualidade.

Como outras orientações são inseridas ao longo do tempo, elas podem se referir a uma orientação específica ou variante das principais orientações, como a pansexualidade, que deriva diretamente da bissexualidade.

Outras categorias podem incluir orientações menos aceitas como a demisexualidade ou a assexualidade, que é representada como um fracasso do processo de atração sexual, essas pessoas não sentem nenhuma atração sexual, podem se relacionar sem problemas e estabelecer laços amorosos, mas separam a sexualidade do vínculo.

Causas da Orientação Sexual

As causas, segundo vários estudos, podem ser muito variadas, desde psicológicas até biológicas, entendendo-se que podem estar relacionadas à genética, ao comportamento hormonal, do ponto de vista psicológico pode ter origem social e desenvolvimento pessoal.

Não há consenso científico de que a orientação sexual fora da heterossexualidade seja uma anomalia de pensamento ou de saúde.

La entrada O que é orientação sexual? se publicó primero en Escrevergay.

]]>
https://escrevergay.com/o-que-e-orientacao-sexual/feed/ 0
A Comunidade LGBTIQ https://escrevergay.com/a-comunidade-lgbtiq/ https://escrevergay.com/a-comunidade-lgbtiq/#respond Tue, 05 Feb 2019 15:45:40 +0000 https://escrevergay.com/?p=29 Nova York, uma das maiores cidades dos Estados Unidos, é um dos lugares mais diversificados do mundo. Ele oferece uma variedade de oportunidades para pessoas de diferentes partes do mundo. Como em qualquer outra cidade, pessoas de todos os cantos do mundo se reúnem para formar a sua própria comunidade nesta cidade. Cada comunidade tem …

La entrada A Comunidade LGBTIQ se publicó primero en Escrevergay.

]]>
Nova York, uma das maiores cidades dos Estados Unidos, é um dos lugares mais diversificados do mundo. Ele oferece uma variedade de oportunidades para pessoas de diferentes partes do mundo. Como em qualquer outra cidade, pessoas de todos os cantos do mundo se reúnem para formar a sua própria comunidade nesta cidade. Cada comunidade tem sua própria cultura e estilo de vida, porém, ainda existem áreas que dividem grupos.

Origem da comunidade

Uma das maiores lacunas é entre a Origem de Nova York e o Destino de Nova York. Como mencionado acima, existem dois grupos principais que formam a origem: a comunidade gay e a comunidade lésbica. A origem inclui pessoas como vários ativistas, políticos e empresários que estiveram envolvidos com o movimento gay e lésbico.

Eles podem ter sido ativistas dos direitos civis, tornados famosos por alguns dos ícones do movimento gay. Em alguns casos, essas pessoas fizeram contribuições importantes para o movimento. Por exemplo, George Takei tem uma reputação incrível entre gays e lésbicas.

Outras personalidades notáveis incluem David Kochel, que foi um dos principais jogadores do movimento dos direitos dos gays até recentemente. Ele foi um dos atores da maioria dos políticos influentes da comunidade gay.

Enquanto isso, o Destino é a origem do Destino. É a cidade conhecida em todo o mundo por suas fabulosas praias, vida noturna, lojas, restaurantes, e muito mais. Na verdade, muitas pessoas amam o Destino, e o acham uma das cidades mais interessantes do mundo.

Em muitos aspectos, o Destino é o playground do mundo inteiro, proporcionando a pessoas de diferentes origens e raças a oportunidade de conhecer ao vivo. Por exemplo, é um caldeirão cultural de todas as raças e religiões. Não é raro encontrar pessoas de diferentes nacionalidades e culturas misturando-se e vivendo em paz nos diversos bairros.

A comunidade gay do Destino é conhecida por seus festivais, clubes e bares. Muitos clubes e bares estão localizados nos bairros onde vive a população gay e lésbica. Esses clubes, bares e restaurantes oferecem o que todos precisam, em termos de entretenimento, jantar e socialização.

A comunidade gay no Destino não se trata apenas de celebrar festas, no entanto, muitas pessoas também vão à praia para se divertir e festejar. É um lugar que é amado por pessoas de todos os estilos de vida, e oferece um ambiente onde diferentes tipos de pessoas de diferentes etnias podem se reunir para apreciar o maravilhoso pôr-do-sol, as praias e as margens.

comunidad

Algumas versões indicam outras origens

Embora existam várias pessoas que pertencem tanto à origem quanto ao destino, as diferenças entre os dois grupos muitas vezes permanecem. Mesmo quando as pessoas do grupo de destino vivem no Destino, elas ainda são apreciadas vivendo na origem. Isto porque o Destino é um destino popular para aqueles que vivem em Nova York, especialmente para aqueles que estão sempre em movimento e estão em busca de novas experiências.

Alguns dizem que a origem realmente representa os gays e lésbicas de Nova York. Essas pessoas dizem que a origem ajuda a comunidade gay e lésbica a florescer. Os grupos se unem e promovem o amor e a tolerância, e é através dos clubes e bares que eles se mantêm seguros e longe da discriminação.

No Destino, gays e lésbicas podem ser eles mesmos, sem medo de serem rejeitados ou expulsos da origem. A maioria dos grupos de gays e lésbicas no Destin existe com o único propósito de ajudar uns aos outros a se sentirem confortáveis. Como os grupos estão no mesmo bairro, gays e lésbicas são capazes de reunir e compartilhar informações e idéias e também aprender a fazer rir uns aos outros.

Como acontece com qualquer outro grupo, há sempre uma divisão dentro da comunidade gay e lésbica Destin. No entanto, a origem é uma comunidade que celebra sua singularidade, e não uma comunidade que busca mudar a si mesma pelos outros. Portanto, as diferenças entre os dois grupos muitas vezes permanecem e continuam a separá-los.

La entrada A Comunidade LGBTIQ se publicó primero en Escrevergay.

]]>
https://escrevergay.com/a-comunidade-lgbtiq/feed/ 0
Trabalho social da comunidade gay nas favelas https://escrevergay.com/trabalho-social-da-comunidade-gay-nas-favelas/ https://escrevergay.com/trabalho-social-da-comunidade-gay-nas-favelas/#respond Sat, 21 Jul 2018 20:23:04 +0000 https://escrevergay.com/?p=83 As favelas são um dos maiores problemas sociais do Brasil, isto sempre existiu, as estruturas construídas de tijolo bruto em grande quantidade, se destacam amplamente com os edifícios modernos e a infra-estrutura da cidade. O trabalho da comunidade para a comunidade Isto ocorre em quase todas as grandes cidades do Brasil, demonstrando à primeira vista …

La entrada Trabalho social da comunidade gay nas favelas se publicó primero en Escrevergay.

]]>
As favelas são um dos maiores problemas sociais do Brasil, isto sempre existiu, as estruturas construídas de tijolo bruto em grande quantidade, se destacam amplamente com os edifícios modernos e a infra-estrutura da cidade.

O trabalho da comunidade para a comunidade

Isto ocorre em quase todas as grandes cidades do Brasil, demonstrando à primeira vista uma grande diferença social e econômica em todo o país, estas favelas são suficientemente grandes, para serem identificadas como pequenas cidades.

Segundo dados do Ministério das Cidades, cerca de 14 milhões de pessoas vivem nessas favelas, movimentando uma economia de cerca de 21 milhões de dólares por ano, mas os habitantes dessas favelas não gozam da proteção adequada do Estado.

Além disso, entende-se que nestas favelas, seus habitantes não têm acesso à educação, a um sistema de saúde estável ou mesmo ao transporte, prejudicando muitos habitantes e deixando-os numa situação de extrema pobreza e insegurança devido à criminalidade.

Particularmente a maioria da população das favelas é negra, representando mais de 80% dos habitantes das favelas, deve ser notado que o Brasil, um país cuja população de origem africana ultrapassa 50%, somente 10% ocupa posições importantes no Congresso.

Isto implica que, a população negra mal tem representação política no Brasil, estimulando o nascimento do partido Frente Favela Brasil, com a intenção de exercer representação adequada para a população negra e as favelas em todo o país.

Além disso, a intenção da criação deste partido é alcançar posições representativas no poder político do Brasil, a fim de trazer melhores direitos e infra-estrutura para as favelas, buscando uma transformação social e democrática feita por meios pacíficos.

comunidad

Comunidades Gays e favelas brasileiras

No caso das comunidades gays nas favelas, elas não gozam de direitos reais, embora certos benefícios para estas comunidades estejam estabelecidos na lei, a realidade social é muito diferente, já que nas favelas, devido à falta de acesso à educação, há mais assédio social de todos os tipos.

Isto inclui ataques e violência contra este tipo de pessoa, embora muitos habitantes das favelas aceitem e tolerem as comunidades LGBT, outro setor não é tão tolerante, não por razões religiosas ou políticas, mas simplesmente por causa do atraso social e da falta de educação e cultura.

Entretanto, com o tempo, as comunidades LGBT nas favelas vêm aumentando, assim como sua tolerância e respeito, pois o comportamento homofóbico tem sido classificado como um crime de ódio, contribuindo para o progresso e compreensão social.

Hoje, existem grupos pertencentes à comunidade gay que organizam trabalho social para colaborar com os habitantes das favelas mais desfavorecidas, já que a maioria deles não tem acesso à assistência médica, carece de transporte e não tem acesso à educação.

Os programas são simples, trata-se de levar medicamentos e livros para distribuir às pessoas envolvidas, entre outras ações estão o apoio médico e alguns programas educacionais para crianças.
Apesar de tudo isso, muitas pessoas pertencentes à comunidade gay continuam a receber ameaças de morte e agressões de grande violência nas ruas, fato muito comum nas favelas, onde o sangue é freqüentemente a política de muitos de seus habitantes e das autoridades.

A insegurança resultante tanto da criminalidade quanto da brutalidade policial tem representado uma grande barreira ao avanço social não só para a comunidade gay, mas para todos os habitantes que vivem nas favelas do Brasil.

La entrada Trabalho social da comunidade gay nas favelas se publicó primero en Escrevergay.

]]>
https://escrevergay.com/trabalho-social-da-comunidade-gay-nas-favelas/feed/ 0
Repressão contra a comunidade https://escrevergay.com/repressao-contra-a-comunidade/ https://escrevergay.com/repressao-contra-a-comunidade/#respond Wed, 11 Apr 2018 15:04:10 +0000 https://escrevergay.com/?p=38 Há muitos anos que lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, intersexuais e homossexuais sofrem discriminação com base na sua orientação sexual e identidade de género, principalmente nos campos cultural e moral. A repressão cresce à medida que cresce o amor pela comunidade A repressão no Brasil contra estas comunidades tem sido em pequena escala em comparação com …

La entrada Repressão contra a comunidade se publicó primero en Escrevergay.

]]>
Há muitos anos que lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, intersexuais e homossexuais sofrem discriminação com base na sua orientação sexual e identidade de género, principalmente nos campos cultural e moral.

A repressão cresce à medida que cresce o amor pela comunidade

A repressão no Brasil contra estas comunidades tem sido em pequena escala em comparação com outros países; as entidades governamentais têm sido responsáveis pela geração de leis para a protecção e livre escolha da identidade de género e orientação sexual.

O que sobra neste país é a rejeição pelos seus habitantes destas comunidades, que continuam a ser contra os direitos humanos neste sentido. Estas comunidades conduziram uma grande luta para que a sua livre escolha fosse respeitada.

Violência homofóbica e transfóbica no Brasil

Os actos de violência contra pessoas pertencentes a estas comunidades são frequentemente agressões físicas, violação, homicídio, tortura, detenção arbitrária, insultos, discriminação no emprego, serviços de saúde e educação.

De acordo com as estatísticas, o Brasil tem os mais altos níveis de homofobia e transfobia do mundo.

De acordo com os relatórios, há muitas pessoas vítimas deste tipo de violência que não denunciam estes crimes, para os quais não existe uma base de dados muito concreta, mas mesmo assim, com os dados disponíveis, é possível chegar a esta conclusão.

As pessoas mais vulneráveis são as que têm poucos recursos e que também sofrem de racismo. De acordo com outros dados, um homicídio homofóbico ou transfóbico ocorre neste país a cada 19 horas.

Os estudos incluem a conclusão de que é mais provável que um travesti seja morto do que um homossexual.

Desde o início do estudo do Grupo Gay de Bahia em 1980, foram oficialmente registados 2.998 homicídios.

Desde 2000 que o Brasil tem feito progressos em questões legais para apoiar as comunidades LGBTIQ, mas o ódio e discriminação de muitas pessoas contra elas não diminuiu.

orgullo

Leis que protegem as comunidades LGBTIQ no Brasil

A homossexualidade deixou de ser ilegal a partir de 1831, contudo, a repressão por parte das autoridades que não aceitaram este facto continuou.

Com o passar do tempo e através de muitas exigências, algumas leis foram criadas em favor dos direitos destas comunidades.

Em Abril de 2010, o Supremo Tribunal de Justiça declarou que casais do mesmo sexo podem adoptar crianças.

Em 2011 o Supremo Tribunal Federal decidiu que as pessoas do mesmo sexo têm o direito de formar uma união estável. Embora não tenha estabelecido a união em casamento legalizado, se permitir que eles tenham os mesmos benefícios.

Em 14 de Maio de 2013, o Poder Judiciário legalizou o casamento entre pessoas do mesmo sexo em todo o país.

Em 2016, foi garantido o direito das pessoas transexuais e transexuais a terem o seu nome social reconhecido por instituições e funcionários públicos.

A 13 de Junho de 2019, o Supremo Tribunal decidiu que os actos de homofobia são considerados crime, e terão uma penalização semelhante aos actos de racismo, com uma punição de até 5 anos de prisão.
Existem regulamentos locais que proporcionam alguma protecção no local de trabalho, tais como o Ministério do Trabalho e Emprego que proíbe os empregadores de exigir informações ou documentação sobre a orientação sexual dos empregados.

Durante os últimos vinte anos, os direitos dos casais e indivíduos pertencentes a estas comunidades foram reconhecidos em várias instituições, promovendo a sua segurança e o direito de viver livremente como todos os outros.

Além disso, a aceitação e tolerância da presença da diversidade em questões de orientação sexual em geral tem sido encorajada em todo o mundo, apesar de todas as controvérsias e posições conservacionistas.

La entrada Repressão contra a comunidade se publicó primero en Escrevergay.

]]>
https://escrevergay.com/repressao-contra-a-comunidade/feed/ 0
O que é a comunidade LGBTIQ? https://escrevergay.com/o-que-e-a-comunidade-lgbtiq/ https://escrevergay.com/o-que-e-a-comunidade-lgbtiq/#respond Thu, 23 Mar 2017 15:34:03 +0000 https://escrevergay.com/?p=49 Sabe tudo sobre a comunidade? LGBT é o acrónimo associado a lésbicas, gays e transexuais ou pessoas trans, agrupando pessoas com orientações sexuais socialmente definidas e identidades de género relacionadas com este agrupamento de tendências. Actualmente, há grandes grupos ou comunidades que estão entusiasmados com esta variedade de ideologias, clamando pelo seu consentimento legal e …

La entrada O que é a comunidade LGBTIQ? se publicó primero en Escrevergay.

]]>
Sabe tudo sobre a comunidade?

LGBT é o acrónimo associado a lésbicas, gays e transexuais ou pessoas trans, agrupando pessoas com orientações sexuais socialmente definidas e identidades de género relacionadas com este agrupamento de tendências.

Actualmente, há grandes grupos ou comunidades que estão entusiasmados com esta variedade de ideologias, clamando pelo seu consentimento legal e projectos socialmente inclusivos.

Com o passar do tempo, as iniciais mudaram, com o objectivo de incluir no título outras comunidades com diferentes orientações sexuais, por solidariedade, que foram discriminadas ou perseguidas.

A ordem das siglas está sujeita a variações de acordo com as preferências estabelecidas em cada país ou comunidade.

Este agrupamento inclui também pessoas com tendências que não aparecem na sigla, adquirindo um sentido bastante amplo, procurando associar e proteger pessoas perseguidas que não são geralmente aceites na sociedade heteronormativa.

comunidad gay

Universalização do termo e contra-propostas

Com o tempo, o conceito deste grupo torna-se um movimento de auto-identificação colectiva, adoptado ou reconhecido pela maioria das comunidades e meios de comunicação social que partilham o mesmo ideal no mundo.

Por outro lado, alguns grupos relacionados com LGBT não partilham critérios com outros grupos que usam a mesma sigla, pelo que pode haver debates ofensivos ou contradições quando se comparam alguns grupos com outros.

Entende-se que alguns grupos se definem de uma forma muito marcada, diferenciando-se estritamente nas causas, para as quais os transgéneros ou transexuais procuram não se agrupar com homossexuais, pois são dois conceitos diferentes.

Esta é uma corrente separatista que inclui o movimento gay e lésbico, onde estabelecem que os homossexuais devem formar uma comunidade utópica, separando-se dos outros grupos que lhes são atribuídos.

Outra parte da sociedade repudia este movimento, especialmente devido ao conceito amplo que lhe foi dado, associando-o a um libertinismo antinatural que poderia ser politicamente destrutivo para o status quo.

La entrada O que é a comunidade LGBTIQ? se publicó primero en Escrevergay.

]]>
https://escrevergay.com/o-que-e-a-comunidade-lgbtiq/feed/ 0